O que comer após a diarreia

O que comer após a diarreia, para se recuperar deste problema desconfortável que causa mal estar no nosso dia a dia.

A diarreia é um dos episódios mais desconfortáveis que uma pessoa pode passar. Além de atrapalhar, por completo o seu dia a dia, é também responsável por outros fatores como dor de barriga e outras dores, enjoos, má disposição, etc. Na maioria dos casos, as pessoas tendem a precisar de repouso ou adaptar a rotina para diminuir as idas ao banheiro.

Seja como for, a diarreia consegue estragar o dia, seja aonde você estiver: numa reunião de trabalho, no trânsito, em uma apresentação que vale nota, na hora do cabeleireiro, em um voo, conversando com amigos ou comendo aquele prato que você queria por tanto tempo experimentar. Pois é, quando não se sabe a causa da diarreia ou quando é o primeiro indício, fica ainda mais difícil realizar um tratamento adequado e, de preferência, que tenha resultados rápidos.

O que está associado à diarreia?

Geralmente, o que pode estar associado à diarreia é a intoxicação alimentar. Sabe quando comemos algo que não “caiu bem” ou que tinha um gosto não reconhecível, ou estava temperado demais, apimentado demais, salgado demais? Todo o excesso pode estragar o nosso estômago e deixá-lo inflamado por alguns dias.

O primeiro sintoma é o mal estar, seguido de dores intensas no estômago. Conseguimos reparar quando o estômago não vai bem quando sentimos movimentos constantes, barulhentos na parede estomacal. E a diarreia tende a ser a confirmação de nossas hipóteses.

Só que, muito cuidado. Não se pode pensar que a diarreia deve ser definida assim se ocorrer apenas um episódio. Lembre-se de que é necessário que a situação se repita para ser considerada tal.

O que comer após a diarreia

Seja como for, é importante saber quais alimentos devem ser ingeridos durante esse episódio, de modo que não soframos tanto assim. Portanto, preste bem atenção!

O que não comer após a diarreia?

Os alimentos gordurosos, industrializados, frutos do mar, vegetais e legumes não cozidos, frutas com casca e carnes mal passadas devem ser evitados a todo custo, uma vez que só tendem a irritar ainda mais o estômago e piorar o processo de inflamação.

Esses alimentos, inclusive, estimulam o trânsito intestinal, ou seja, a probabilidade de você ir ao banheiro é ainda maior quando são ingeridos. Risque-os de suas refeições e não insista.

O que comer após a diarreia?

Agora vamos ao que interessa. O primeiro fato de extrema importância é reconhecer que a diarreia provoca desidratação no organismo. Logo, será necessário beber bastante líquido durante o episódio, de preferência chás, como o de camomila e hortelã, e água. O chá alivia as dores estomacais e diminui a azia, além de tratar o sistema digestivo, acalmando-o.

Quando se fala em alimentos, um dos mais interessantes e saudáveis são as carnes magras, isto é, o peixe e o frango. Ambos devem ser consumidos em pedaços pequenos, desfiados ou moídos. Eles possuem um componente muito valioso para o nosso organismo: vitamina B, a qual é essencial para melhorar o sistema imunológico e a flora intestinal.

As frutas, sem casca, também podem ser ingeridas. A maçã é repleta de fibras, as quais são responsáveis por regular o intestino, diminuindo a inflamação, e atuar no fluxo intestinal, aliviando as dores e o aparecimento de bolo fecal. Já a banana, por outro lado, tem em sua composição o amido, que geralmente é perdido durante episódio de diarreia. Logo, a banana serve para repor os nutrientes e absorver a água presente em nosso intestino.

Como o objetivo é hidratar o corpo, diminuir a diarreia e repor os nutrientes, nada mais gostoso e saudável do que sopas, porque além de serem ricas em nutrientes, legumes, carnes magras, também são opções para acalmar o intestino.

Percebe-se o quanto a diarreia pode atrapalhar seu dia. Entretanto, não é momento para estressar e se irritar. Pelo contrário, é a hora de se cuidar e ingerir alimentos que vão cuidar do nosso corpo.

Aviso
O Site Manual de Saúde tem caráter meramente informativo. Diante de qualquer problema, não faça nenhum diagnóstico ou automedicação com base nas informações lidas aqui. Informe-se e procure um médico de sua confiança.